fbpx

ABCESSO DENTÁRIO

O que é um abcesso dentário?

O  abcesso dentário surge devido à contaminação por bactérias que invadem e infetam a polpa dentária.

A cárie dentária tem uma grande incidência entre a população e uma das complicações  possíveis é o abcesso dentário.

Um abcesso dentário  é uma acumulação de pus que forma uma bolsa, resultante de uma infeção dentária.

Normalmente tem a forma de uma bolsa visível com aspeto de “caroço, cisto ou bolha na gengiva ” ou de “pequena bola branca ou de cor esbranquiçada e de conteúdo purulento.

Embora seja referido como um abcesso ou abscesso no dente, devido à sua origem, este acaba por se evidenciar na gengiva adjacente ao dente com infeção.

QUAIS SÃO OS SINTOMAS DE UM ABCESSO DENTÁRIO?

Habitualmente, na presença de uma infeção, o organismo reage revelando sintomas que não se limitam à zona afetada. Temos então os seguintes sinais e sintomas:

  • Dor nos dentes, latejante e contínua no dente ou área da gengiva afetada, que pode intensificar ou ser mais acentuada quando mastiga;
  • Gânglios do pescoço inchados (hipertrofiados);
  • Sensação de pressão na zona afetada;
  • Inflamação da gengiva (gengivite), vermelhidão, ou “inchaço das gengivas”;
  • Sensibilidade nos dentes através do toque, ou na presença de temperaturas extremas – quente ou frio;
  • Halitose (mau hálito) ou sabor amargo na boca;
  • Inquietação ou sensação de mal-estar;
  • Desconforto geral;
  • Presença de “inchaço” no maxilar superior ou inferior, podendo ficar o “rosto inchado”
  • Febre e arrepios;
  • Vómitos;
  • Problemas gastrointestinais.

TIPOS DE ABCESSOS DENTÁRIOS

No que diz respeito à Medicina Dentária temos então dois tipos de abcessos:

  • Abcessos periapicais, são acumulações de infeção junto à raiz de um dente.
  • Abcessos periodontais, são abcessos que se desenvolvem devido a uma infeção nas gengivas;

ABCESSO PERIAPICAL

abcesso periapical, aparece na fase inicial e localiza-se internamente, com início na zona apical do dente (ápice ou término da raiz), ou seja, ainda dentro do osso maxilar, e como tal, este abscesso na raiz do dente não será ainda evidente.

A bolsa de pus vai  aumentando internamente, nos tecidos periodontais, até aumentar de tamanho e ficar percetível externamente, caso não drene, o que se traduz então na presença visível do abscesso (abscesso periapical sem fístula).

Se o abcesso acabar por drenar de forma expontânea, irá originar uma abertura (fístula) na superfície dos tecidos moles, por onde sairá a maior parte do pus acumulado (abscesso periapical com fístula), diminuindo assim rapidamente de volume.

Não significa, no entanto, que a infeção esteja tratada, pois não havendo qualquer tratamento posterior, acaba por evoluir para uma situação de abscesso periapical crónico.

ABCESSO PERIODONTAL

Quando um abcesso periodontal atinge o periodonto, isto significa, que os tecidos de suporte dos dentes, consequência, por norma, da evolução de um estado de periodontite (ou piorreia) já existente ou de uma situação associada a dentes semi-inclusos, como nos casos da pericoronarite, muito comuns durante a erupção dos dentes do siso.

Estes abcessos, quando envolvem só a gengiva (abcesso gengival ou abcesso na gengiva), tendem a localizar-se na área das papilas interdentárias (é a porção gengival que preenche a região situada entre dois dentes adjacentes, também conhecida como espaço interdental) e gengiva marginal (gengiva junto dos dentes).

Um abcesso periodontal agudo implica normalmente dor intensa, edema, pus e vermelhidão, mas o seu tratamento atempado, evita que os dentes adjacentes sejam afetados.

Deve ter em conta que os abcessos são problemas sérios que devem ser tratados, mesmo que a dor diminua com o tempo, não deve deixar de consultar o seu médico dentista pois a infeção pode permanecer ativa, levando a complicações ainda mais graves.

Em situações raras, originam manifestações sistémicas, isto é, para além da zona, que podem ser do foro cardíaco e chegar até ao ponto de uma septicemia, verificando-se uma propagação desses micróbios através dos sistemas linfático e arterial. Nestas circunstâncias, embora excepcionais, podem levar à morte do paciente.

UM ABCESSO DENTÁRIO PREJUDICA UM TRATAMENTO COM IMPLANTES?

Sim, prejudica. Em caso de abcesso dentário deve consultar o seu médico implantologista, e proceder a um diagnóstico e tratamento.

TENHO UM ABCESSO DENTÁRIO. O QUE FAZER?

Deve consultar um Médico Dentista.

Centro Clínico São Cristóvão

Em casos de abcessos avançados, se sentir náuseas, vómitos, febre ou diarreia, deve consultar o seu médico com urgência! O doente não deverá em situação alguma, automedicar-se!

Para agendar a sua consulta , ligue 915 307 915, 214 944 231 ou 214 925 682. Ou em alternativa, envie-nos um email  e nós contactamos. Somos a sua clinica dentária na Amadora.

PERIODONTITE

Dor de dente constante que piora ao mastigar alimentos?

Como prevenir a doença periodontal?

Por certo,  já ouviu falar em periodontite. A periodontite ou doença periodontal, é uma patologia silenciosa e pode ocorrer quando a gengivite não é tratada, atacando os tecidos de sustentação e proteção dos dentes, sendo fundamental manter uma boa saúde oral para ter também o seu corpo saudável. 

A saúde oral é um indicador importante da saúde em geral, do bem-estar e da qualidade de vida de uma pessoa. Segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS), 50% dos adultos sofre desta doença e afeta 35% da população global.

A acumulação de placa bacteriana, pode surgir por não lavar os dentes, ou não realizar a sua higiene oral de forma correta. A escovagem dos dentes deve fazer parte da rotina diária.

Na maioria dos casos existe tratamento que varia consoante o grau de evolução da doença.

A CAUSA

A inflamação nas gengivas é muito frequente entre a população e a periodontite é uma das causas mais graves da doença gengival que afeta os tecidos em volta dos seus dentes.

É causada pela placa bacteriana, uma substância de cor amarelada e pálida que adere aos seus dentes, acumulando-se na parte superior  e inferior da linha da gengiva, ou seja, a zona onde a gengiva se encontra com o dente.

seu tratamento tem como objetivo solucionar o processo infeccioso, estabilizar a doença e impedir a sua evolução.

NÃO IGNORE OS SINAIS

A periodontite, também conhecida por piorreia, é a última etapa na progressão da doença das gengivas. Ao contrário da gengivite, não é reversível e normalmente tem consequências graves e duradouras no aspeto dos seus dentes e gengivas.

Existem sinais precoces  de alerta da doença gengival que não deve desvalorizar.

Temos, como exemplo, sensibilidade nas gengivas, o sangramento ao escovar os dentes ou ao utilizar o fio dentário, pus (abcessos periodontais) e secreções entre os dentes e a gengiva.

Deve ainda ter em atenção a retração gengival que transmite a perceção de dentes mais compridos,  aftas, dentes com mobilidade ou espaços entre eles,  mau hálito constante e gengivas vermelhas e inchadas.

Ao detetar algum destes sinais deve consultar o seu médico dentista  e assim aconselhar-se relativamente ao  tratamento mais adequado para o seu caso, antes que os quadros infecciosos e inflamatórios passem das gengivas para os ligamentos e ossos que dão suporte ao dente. O que torna a situação mais complexa.

RETRAÇÃO GENGIVAL

A doença periodontal pode causar retração gengival, um estado que poderá não dar muita importância inicialmente. Mas de facto, pode ser uma experiência assustadora e dolorosa, à medida que  a raiz do seu dente fica exposta.

A superfície da raiz dentária não é revestida de esmalte, portanto, estímulos frios ou quentes e por vezes doces podem provocar dor.

Pode ser aplicado um produto para melhorar esta sensibilidade, fale com o seu médico dentista.

A GENGIVITE

Esta fase da doença gengival é reversível pois ainda não foi afetado o osso alveolar.

AS CONSEQUÊNCIAS

Um quadro clínico de periodontite, caso não seja diagnosticado e tratado atempadamente, poderá levar a danos irreversíveis do osso e tecidos que suportam os seus dentes, fazendo com que a sua sustentação se torne definitivamente comprometida, ou seja, podendo conduzir à perda de dentes e, em casos mais graves, influenciar a saúde geral do paciente.

PLACA BACTERIANA

A placa bacteriana é um processo constante na sua boca. Mas quais são os fatores responsáveis pela acumulação bacteriana que dá origem à periodontite?

  • Tabaco

Fumar é uma das causas de maior risco. Beneficie a sua saúde e deixe de fumar.

  • Diabetes

Os pacientes que sofrem de diabetes descontrolada têm mais probabilidade  em desenvolver infeções nas gengivas, sendo considerado um fator de risco.

Podem provocar a destruição óssea e provocam a perda da sustentação dos dentes, tudo isto porque a circulação sanguínea fica prejudicada nessa zona.

  • Má higiene oral

É essencial escovar os dentes após cada refeição, devendo ainda adicionar a limpeza com colutório, fio dental e escovilhões interdentários.

Não deve esquecer de fazer uma limpeza dentária a cada 6 meses com o seu médico dentista.

  • Alterações hormonais

Sobretudo, em mulheres, devido a alterações hormonais poderá criar maior sensibilidade nas gengivas e pode evoluir para gengivite.

Atenção, não sendo tratada, é muito provável que se torne numa periodontite.

A boca seca é um fator a considerar, pois aumenta o risco de doença.

A saliva constitui a proteção mais importante da cavidade oral e se ficarmos sem ela, maior será a possibilidade de se desenvolverem de infeções.

  • Uma dieta desequilibrada e um estilo de vida pouco saudável.

PREVENIR A PERIODONTITE

A prevenção é sempre o melhor remédio.

Atualmente a periodontite é uma das doenças gengivais mais graves.

Afeta os tecidos à volta dos dentes, portanto, deve prevenir através de uma boa rotina de higiene oral.

Escove os seus dentes duas a três vezes ao dia com uma pasta de dentes com flúor e utilize o fio dentário ou uma escova interdental suave todos os dias.

Será que escova os seus dentes de forma conveniente?  A escova que utiliza é a  indicada? Já pensou quanto tempo gasta para escovar os seus dentes? Possivelmente poderá achar relativo, mas escovar os dentes durante um tempo adequado faz toda a diferença na hora de higienizar a sua boca.

QUANDO DEVO TROCAR DE ESCOVA DE DENTES?

Esta á uma questão pertinente, com que frequência devemos comprar uma nova escova de dentes?  Aconselha-se a mudança a cada 3 meses, pois com a utilização diária a sua escova deixa de ser tão eficiente na remoção da placa bacteriana nos dentes e gengivas evitando o desenvolvimento de bactérias. Todavia, se utilizar um aparelho dentário, a troca de escova deverá ser com mais frequência.

Deixamos aqui uma dica, nova estação, nova escova na mão. No Outono, no Inverno, na Primavera e no Verão e não se esqueça de lavar e enxaguar a escova antes do uso e nunca deixe a escova em contacto com outras.

Que escova deverá escolher? Existe tanta diversidade que no momento da compra é difícil optar por uma escova de dentes. Aconselhamos a falar com o seu médico dentista para que possa esclarecer as suas questões.

Assim que exista qualquer desconfiança relacionada com as suas gengivas ou tecidos de suporte dos dentes deverá consultar o seu médico dentista.

LAVAR OS DENTES

Muitos pacientes questionam a forma como devem escovar os seus dentes.

Aconselhamos que escove os seus dentes pelo menos duas vezes por
dia, pelo menos, durante dois minutos. Sempre que possível, depois de comer, aguarde 30 minutos antes de escovar os dentes. Preferencialmente, fique duas horas sem comer depois da escovagem.

DIAGNÓSTICO PRECOCE

O diagnóstico precoce sempre é de absoluta importância. Não se esqueça, umas gengivas que sangram nunca são saudáveis.

Em resumo, a periodontite é uma infeção bacteriana do periodonto, isto significa, uma infeção nos tecidos de sustentação do dente: gengiva, ligamento periodontal e osso.

Pode originar muitos problemas para o seu sorriso, podendo levar à perda de elementos dentários, porém, não é muito difícil cuidar do seu sorriso, sabia? A melhor forma de o fazer, é manter a sua saúde oral sempre em forma.

Tem questões?  Venha conversar com um profissional na área, e entenda tudo que você necessita saber sobre este tema. Conheça as causas, sintomas, como prevenir e tratamentos disponíveis para o seu caso.

Periodontia ou Periodontologia, “peri” = em volta de e “odon” = dente

Centro Clínico São Cristóvão

Para agendar a sua consulta , ligue 915 307 915  ou 214 944 231 ou 214 925 682. Ou em alternativa, envie-nos um email  e nós contactamos.

PERIODONTITE

Como prevenir a doença periodontal?

Como prevenir a doença periodontal?

Manter uma boa saúde oral é fundamental para ter o restante do corpo em bom funcionamento. A periodontite ou doença periodontal pode ocorrer quando a gengivite não é tratada.  Esta, é causada  pela placa bacteriana (uma substância pegajosa de cor esbranquiçada e amarelada que adere à dentição)  que se acumula acima e abaixo da linha da gengiva (a zona onde a gengiva se encontra com o dente) e pode levar a danos irreversíveis do osso e tecidos que suportam os seus dentes. De uma forma geral poderemos dizer que a periodontite é causada por uma infeção generalizada da boca. Se não for diagnosticada e tratada a tempo, pode levar à perda de dentes e, em casos mais graves, influenciar a saúde geral do paciente.

Não ignore os sinais

A periodontite é a última etapa do percurso da doença das gengivas. Contrariamente à gengivite, não é reversível e normalmente tem consequências graves e duradouras no aspeto dos seus dentes e gengivas. Por isso, é importante que impeça este problema de avançar.

Mau hálito e gengivas vermelhas e inchadas, sangrar ao escovar os dentes ou usar o fio dentário,  são sinais de doença gengival precoce que não devem ser ignorados e deve agir de imediato.

Se sentir qualquer um destes sintomas deve consultar imediatamente o seu médico dentista e assim aconselhar-se quanto ao melhor tratamento a fazer antes que o problema se agrave.

PLACA BACTERIANA

A acumulação bacteriana dá origem à periodontite, mas quais são os fatores que a potenciam?

  • O tabaco: fumar é um dos fatores de maior risco que levam a que se contraia esta doença;
  • Diabetes: os pacientes que sofrem de diabetes têm mais tendência a desenvolver infeções nas gengivas;
  • Má higiene oral: é indispensável escovar os dentes após cada refeição, assim como adicionar á limpeza um colutório, fio dental e escovilhões interdentários. Além disso, é necessário efetuar uma limpeza dentária profissional, pelo menos, uma vez por ano;
  • Alterações hormonais: principalmente em mulheres, produzindo uma maior sensibilidade nas gengivas. Se esta sensibilidade evoluir para gengivite e não for adequadamente tratada a tempo, é muito possível que se agrave, tornando-se uma periodontite;
  • Predisposição genética;
  • Xerostomia: a secura da boca é um fator a considerar, pois aumenta o risco. Se ficarmos sem saliva, que constitui a proteção mais relevante da cavidade oral, será mais fácil a ocorrência de infeções;
  • Uma dieta desequilibrada e um estilo de vida pouco saudável.

Prevenir a periodontite

Apesar da doença periodontal surgir com alguma frequência nos pacientes adultos, a verdade é que na maioria dos casos pode ser prevenida com o aconselhamento adequado por parte do médico dentista.

A Periodontite é uma doença gengival que prejudica os tecidos e os ossos que suportam os dentes.  De forma a conservar os seus dentes e prevenir a doença periodontal é indispensável a prevenção, seguindo uma boa rotina de higiene oral.

Escove os seus dentes duas a três vezes ao dia, com uma pasta de dentes com flúor , utilize o fio dentário ou uma escova interdental suave todos os dias e não se esqueça de visitar o seu médico dentista com alguma regularidade.

Lembre-se que umas gengivas que sangram nunca são saudáveis.

Agende já a sua consulta de avaliação.

Centro Clínico São Cristóvão

Ligue 915 307 915  ou 214 944 231 ou 214 925 682.

Ou em alternativa, envie-nos um email  e nós contactamos.

CENTRO CLÍNICO SÃO CRISTÓVÃO